GÁS DE XISTO, COMPLEXIDADE E INCERTEZA: UMA QUESTÃO DELICADA

Introdução

A busca por fontes não convencionais de gás tem levado as empresas do setor a explorar densas formações de xisto, um tipo de rocha de onde se pode tirar gás natural. Para isso, é necessário injetar no solo uma mistura de água, ácido, chumbo e benzeno. Esses produtos criam fissuras nas rochas, que permitem que o gás de xisto (do inglês, shale gas) escape. A exploração do xisto vem sendo apontada como um sucesso tecnológico e econômico nos Estados Unidos, movimentando bilhões de dólares.

Esse fato a princípio, pode soar como positivo para a economia, mas também pode ser considerado prejudicial para a sustentabilidade ambiental. E é assim porque a tecnologia de extração do gás de xisto, denominada de fracking, baseia-se em processos invasivos das camadas geológicas e causa impactos ambientais que, embora ainda pouco conhecidos, podem ser irreversíveis.

Gás não convencional

A diferença entre o gás convencional e o não convencional tecnicamente está na forma como esses recursos são explorados O gás não convencional é encontrado em folhelhos e sua extração, em regra, exige a aplicação de uma tecnologia de fraturamento hidráulico (do inglês fracking). Quanto ao gás convencional, pode ser encontrado em reservatórios com permeabilidade e porosidade tradicionais. A tecnologia de fracking consiste na perfuração de poços horizontais a partir de poços verticais (de cada poço vertical derivam vários horizontais em diversas direções), e no fracionamento das rochas sedimentares por meio de explosões controladas, seguidas de injeção de uma mistura de água, areia e produtos químicos. Muitas críticas têm sido feitas ao uso do fracking – desde o uso da água em imensas quantidades até a eventual contaminação de lençóis freáticos. 

Reservas

As reservas de gás de xisto, tecnicamente recuperáveis, são estimadas em 200 trilhões de metros cúbicos. A China ocupa a liderança com 36,1 trilhões, seguida pelos Estados Unidos, com 24,4 trilhões, Argentina, com 21,9 trilhões e México, com 19,3 trilhões (EIA/ARI, 2013).

No Brasil, a produção de gás não convencional praticamente inexiste. A única exploração  é feita pela Petrobras, no município de São Mateus do Sul (PR), onde se produzem apenas 130 mil metros cúbicos de gás por dia.  Estima-se que o Brasil tenha 6,4 trilhões de metros cúbicos de reservas de gás de xisto, o que o colocaria em 10º lugar no mundo (EIA/ARI, 2013).  Admite-se que, apesar das incertezas em relação às atuais tecnologias não convencionais, à medida em que elas forem disseminadas e ao mesmo tempo aperfeiçoadas e tornadas convencionais, revelem um aumento das reservas mundiais.

Impacto ambiental

O gás de xisto inicialmente saudado, principalmente nos EUA, como uma alternativa de energia limpa ao carvão para a geração de energia elétrica, atualmente é criticado por muitos, devido a problemas ambientais decorrentes da sua exploração. Esse impacto ambiental estaria relacionado aos seguintes fatores:

(1) Risco de contaminação dos lençóis freáticos: O xisto está aprisionado em pequenas formações rochosas altamente impermeáveis. Sua exploração consiste na fratura das rochas, com a injeção de grande volume de água sob alta pressão, explosivos e substâncias químicas que podem causar vazamentos e chegar aos lençóis subterrâneos de água.

(2) Uso intensivo de água no processo de fratura: As estimativas indicam que são usados cerca de 20 milhões de litros de água por poço perfurado, o que pode chegar a proporções gigantescas, caso se considere a previsão da abertura de um milhão de poços no mundo.

(3) Poluição do ar: Na exploração do xisto, as rochas são bombardeadas com uma mistura de água, areia e produtos químicos. A pressão causa fissuras no subsolo e faz com que o gás suba em direção à superfície.

(4) Abalos sísmicos: A explosão de rochas subterrâneas inclui o risco de pequenos abalos sísmicos nas áreas exploradas.

(5) Receio da possibilidade de o gás de xisto desbancar fontes renováveis de energia, como a eólica e a solar: Admite-se que não se pode reduzir emissões de CO2 sem reduzir o uso do carvão, e o gás de xisto já está destronando o carvão nos EUA. Mesmo que alguma fonte mais limpa se torne posteriormente viável, ainda precisaremos do gás natural como energético para auxiliar na transição para uma economia menos carbono intensiva. 

A  “revolução” americana

Nos EUA, o excesso de produção de gás natural tem levado empresas petroquímicas e fabricantes de fertilizantes a construir novas fábricas. Trata-se de uma grande mudança, após anos de transferência de unidades de produção para o exterior. É a chamada “revolução americana” do xisto. Esse movimento começou no final dos anos 90, quando foi perfurado o primeiro poço moderno há alguns quilômetros de Fort Worth, no Texas.

O avanço da indústria de gás e petróleo de xisto nos EUA tem produzido um impacto considerável sobre a economia americana, tendência que deverá se aprofundar nos próximos anos e afetará também a economia global. As previsões apontam um crescimento mais forte no PIB, maior geração de empregos, mais receitas para os cofres públicos e um impulso importante para industrialização dos EUA, ao baratear o custo da energia. Estima-se que em 2020 o PIB americano será de 2% a 3,3% maior do que seria, devido ao impacto cumulativo da nova produção de gás e petróleo, em grande parte devido à indústria do xisto (Citigroup Global Markets, 2013).

A fatia do gás de xisto na produção total de gás natural dos EUA pulou de 4% para 5% em meados da década passada, para 34% em 2012, e em 2040 deve atingir 50% (EIA/ARI, 2013).  Um fator crítico, que tem favorecido a exploração do gás de xisto nos EUA, é a propriedade privada das reservas de gás no subsolo. Nos EUA, o subsolo pertence aos proprietários das terras e não à União.  Dessa forma, os exploradores do gás podem tratar a atividade de exploração diretamente com os donos dos direitos de mineração, dispostos a vendê-los por uma participação nos lucros. Os EUA têm um ambiente regulatório mais ágil e uma regulação ambiental menos restritiva, quando comparados com outros países. É um sistema que garante o máximo de aproveitamento dos recursos naturais, mas tende a comprometer a sustentabilidade ambiental.

A combinação de direitos sobre o subsolo nas mãos de particulares, a existência de empresas menores de gás para atuar na produção e desenvolver tecnologia, a disponibilidade de dados geológicos e a existência de uma vasta malha de gasodutos, já amortizada, constituem um modelo empresarial peculiar aos EUA e, ao que parece, inexistente em outro lugar do mundo.

As empresas têm encontrado obstáculos ao tentar reproduzir a experiência americana em outros continentes, o que pode resultar em demora na produção do gás de xisto.  Entre os motivos desse ritmo lento está o fato de os governos fora dos EUA serem donos dos direitos sobre o subsolo, da existência de preocupações ambientais e da falta de infraestrutura de perfuração e transporte de hidrocarbonetos. A tudo isso, acrescente-se a escassez de estradas adequadas, prestadores de serviços e padrões de segurança modernos. Ademais, o conhecimento da geologia local é bem menor na maioria dos países fora dos EUA, país onde se perfuram poços há mais de um século.

Perspectivas brasileiras

O aproveitamento do gás de xisto tornou-se uma das pautas dos governos de diversos países, incluindo o Brasil, depois que os EUA mostraram-se bem sucedidos na campanha exploratória desse insumo.

As condições adequadas para a exploração, produção e distribuição do gás de xisto, incluindo tecnologia, infraestrutura de transporte, mercado consumidor e impactos ambientais, recomendam cautela aos entusiastas dessa nova fonte de energia. Não basta a ideia de desenvolver novas áreas e oferecê-las. Não se pode abraçar uma causa pelo ângulo do modismo, olhar para os EUA e acreditar que devemos fazer tudo o que eles fazem. Precisamos estar preparados em termos de infraestrutura, redes de distribuição, tecnologia e, acima de tudo, assegurar um mercado de gás de xisto.

Isso explica, em parte, o fato de que no leilão da 12º Rodada de licitações da ANP – Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, realizado em 28/11/2013, terem sido negociados apenas blocos com perspectiva de exploração de gás natural convencional. As áreas com mais probabilidade de exploração de gás não convencional, que exigem a perfuração de poços com fratura de rochas, não tiveram compradores.

No Brasil é necessário investir em tecnologias, pesquisa e desenvolvimento, dadas as peculiaridades das bacias sedimentares domésticas e a carência de estudos de sismologia. Há também a necessidade de conhecer a disponibilidade no mercado dos equipamentos específicos para a exploração e produção de gás de xisto, para não mencionar a falta de regulamentação ambiental nos Estados.

 A questão da complexidade

Como se todas as dificuldades até agora apontadas e analisadas ainda não fossem suficientes, é indispensável examinar a questão também pela ótica da teoria da complexidade. O leitor dirá que acabamos de fazer isso, mas engana-se. O que acabamos de fazer foi examinar os aspectos tecnológicos e geopolíticos do problema o que, nos termos da teoria da complexidade, implica conhecer seus aspectos complicados.

Para que esse ponto se torne transparente, é preciso tornar clara a diferença entre complicação e complexidade ou, em outros termos, sistemas complicados e sistemas complexos. Sistemas complicados são os tecnológicos, os conjuntos de máquinas construídas e operadas pelo homem. Sistemas complexos são todos aqueles dos quais participam seres vivos. Uma empresa fechada, vazia de pessoas, é um sistema complicado, pois nela só existem máquinas. Uma empresa aberta e em pleno funcionamento é um sistema complexo, pois inclui a presença humana e esta comporta o fator fundamental da complexidade: a incerteza.

A experiência tem mostrado que a melhor maneira de levar em conta a complexidade em qualquer contexto é introduzir nele a natureza humana. Com essa noção, revisemos agora os problemas já apontados relacionados à exploração do gás de xisto: uso desmedido de água, contaminação de lençóis freáticos, poluição atmosférica, dos rios e outros mananciais de água, ameaça à velocidade do desenvolvimento de outras fontes de energia, como a solar e a eólica e assim por diante.

Nos EUA, costuma-se assegurar que o fracking é seguro, desde que observados os respectivos procedimentos e tecnologias. É neste ponto que convém reanalisar tudo o que até agora foi dito à luz do que se conhece sobre a natureza humana que, como há muito tempo se sabe, é auto e heterodestrutiva: pulsões inconscientes nos impelem à destruição de nossa espécie, de outros seres vivos e do meio ambiente (Mariotti, 2013).

Assim, levar em consideração a natureza humana, seja em que contexto for, equivale a introduzir também a complexidade e a incerteza inerentes a essa condição. Não importa o volume de recursos financeiros, o cuidado e o apuro com que as tecnologias e suas especificações sejam postas em prática – nada garante o sucesso. É óbvio que com esse reparo não se pretende criar obstáculos e dificuldades: o que se quer destacar é que,  uma vez levado em conta o fator complexidade tudo já não parece tão simples – mas, por outro lado, mostra-se mais realista e portanto menos sujeito a leviandades, equívocos, fraudes e outros excessos do gênero.

É claro que levar em consideração a natureza humana em um dado contexto está muito longe de ser uma tarefa simples. Hoje já se conhecem algumas formas de fazer isso na prática, as quais incluem graus variáveis de dificuldade. Estes por sua vez, dependem de parâmetros como valores e crenças, ética, política e responsabilidade socioambiental que, como se sabe, variam de país para país. O que se expôs neste artigo foi apenas um exemplo de que não bastam recursos financeiros e tecnologia para resolver determinados problemas, como muitos de nós fomos (e continuamos a ser) por tanto tempo levados a acreditar.

Conclusão

O gás de xisto apresenta-se como uma fonte de energia não convencional com potencial de aproveitamento em diversas partes do mundo, tendo como referência a bem sucedida experiência norte-americana. Embora representantes industriais vejam a exploração desse energético como uma importante fonte de renda, além de um mecanismo para desenvolver a economia, a forma como os EUA o exploram encontra opositores em diversos países.

Os “ambientalistas” se preocupam com os riscos locais, principalmente para os mananciais de água, além do receio de vazamentos de gás metano e de atividades sísmicas induzidas. Esses temores não podem ser desprezados, pois não é suficiente a indústria gaseífera proclamar que o fracking é seguro desde que as operadoras hajam de forma responsável e os órgãos reguladores cumpram suas obrigações. Essa segurança seria bem maior se a complexidade da natureza humana passasse a fazer parte rotineira dos procedimentos envolvidos em sua produção e consumo.

Referências

EIA – Energy International Agency/ARI – Advanced Resources International. World Shale Gas and Shale Oil Resource Assessment. June, 2013. Disponível em: http://www.adv-es.com/pdf/A_EIA_ARI_2013%20World%20Shale%20Gas%20and%20Shale%20Oil%20Resource%20Assessment.p.  Acesso: 01 fevereiro, 2014.

Citigroup Global Markets. Julho, 2013. Disponível em: http://outrapolitica.wordpress.com/2013/07/01/gas-de-xisto-estimula-economia-dos-eua-e-pode-derrubar-preco-do-petroleo/ Acesso em 01 fevereiro, 2014.

MARIOTTI, Humberto, 2013. Complexidade e sustentabilidade: o que se pode e o que não se pode fazer. São Paulo: Atlas, 2013. Neste livro há incontáveis exemplos e ampla bibliografia sobre o assunto.

 

Consultor Especialista em Sustentabilidade – Pós-Doutor (FEA/USP) e Doutor em Energia (IEE/USP)